ANDANDO NA GRAÇA - AEMSF

Quem não tem pecado…

Para muitos essa é uma autorização para continuar pecando. Mas foi isso o que Jesus disse à mulher flagrada em adultério? Tirar o texto do seu contexto dá margem ao falso evangelho. O pecado tem sido relativizado.

Texto: João 8:3-11 – A cena: uma mulher flagrada em adultério foi trazida a Jesus, no entanto o homem não foi trazido, propositalmente foi deixado de lado. A turba agitada veio provocar Jesus ao trazer apenas a mulher e afirmaram que a lei mandava apedrejar a quem fosse apanhado no ato ilícito de adultério; mas a lei mandava que ambos morressem (Levíticos 20:10). Jesus conhecendo a intenção daquela turba agitada desmascarou-os com essa afirmação: QUEM NÃO TEM PECADO, ATIRE A PRIMEIRA PEDRA! Os detratores, um a um, foram abandonando o lugar até ficar Jesus e a mulher. Jesus pergunta a mulher: E os seus acusadores? Jesus não parou na pergunta, após a resposta da mulher ele lhe dá uma ordem expressa: VÁ E NÃO PEQUES MAIS! Noutra ocasião (João 5:14), Jesus deu a mesma ordem a outro homem, que havia sido curado, mas acrescentou: “Eis que já estás são; não peques mais, para que te não suceda alguma coisa pior. ”

Definição bíblica de pecado:

  • Não ter parte em
  • Errar o alvo
  • Errar, estar errado
  • Errar ou desviar-se do caminho de retidão e honra, fazer ou andar no erro
  • Desviar-se da lei de Deus, violar a lei de Deus
  • Aquilo que é errado, uma ofensa, uma violação da lei divina em pensamento ou em ação.

Sendo mais detalhista conforme a Dicionário da Bíblia de Almeida: Falta de conformidade com a lei de Deus, em estado, disposição ou conduta. O pecado atinge toda a raça humana, a partir de Adão e Eva {#Gn 3; Rm 5.12}. O castigo do pecado é a morte física, espiritual e eterna {#Rm 6.23}. Da morte espiritual e eterna escapam aqueles que se chegam a Cristo, o Salvador {#Rm 3.21-8.39}. Para indicar isso, a Bíblia usa vários termos, tais como:

  • Pecado {#Sl 51.2; Rm 6.2},
  • Desobediência {#Hb 2.2},
  • Transgressão {#Sl 51.1; Hb 2.2},
  • Iniquidade {#Sl 51.2; Mt 7.23},
  • Mal, maldade, malignidade {#Pv 17.11; Rm 1.29},
  • Perversidade {#/ RA Pv 6.14; At 3.26},
  • Rebelião, rebeldia {#1Sm 15.23; Jr 14.7},
  • Engano {#Sf 1.9; 2Ts 2.10},
  • Injustiça {#Jr 22.13; Rm 1.18},
  • Erro, falta {#Sl 19.12; Rm 1.27},
  • Impiedade {#Pv 8.7; Rm 1.18},
  • Concupiscência {#/ RA Is 57.5; 1Jo 2.16},
  • Depravação {#/ RA Ez 16.27,43,58}.

O pecado tem sido relativizado. Em sua essência ele é atacado, mas algumas de suas ramificações são aceitas ou as consequências são minimizadas. Enquanto alguns pecados são duramente criticados, atacados, punidos, com razão, outros na mesma linha são apaziguados, a exemplo do adultério (incluindo aí o divórcio resultante do mal praticado). Trato do tema do adultério no artigo “A FACE OCULTA DO ADULTÉRIO” (publicado aqui nesse portal)

O que temos visto nesses dias é algo terrível. A iniquidade dentro de certos círculos é tão profunda que está ultrapassando a barreira da vida. Outro pecado gravíssimo que está sendo relativizado é o suicídio. O verdadeiro filho de Deus ama a vida e jamais pensa em tirá-la, pois, não lhe pertence. A vida é um dom de Deus e a Ele pertence. Não há dificuldades, aflições, lutas, provações maiores do que o Dono da vida. Toda e qualquer situação ao nome de Jesus Cristo tem que dobrar os seus joelhos.

Aquele que clama ao Senhor dia e noite receberá justiça. Como, pois, alguém que se diz um filho de Deus pode pensar em tirar a sua própria vida, por fim ao projeto de Deus? Mas, certos teólogos relativizaram o suicídio alegando que uma vez salvo, salvo para sempre. Será? Jesus afirmou em Lucas 18:7-8 – E Deus não fará justiça aos seus escolhidos, que clamam a ele de dia e de noite, ainda que tardio para com eles? Digo-vos que, depressa, lhes fará justiça. Quando, porém, vier o Filho do Homem, porventura, achará fé na terra? Mateus e Marcos concordam: “mas aquele que perseverar até ao fim será salvo. ” Ou, “mas quem perseverar até ao fim, esse será salvo. ”. Jesus perguntou: “Quando, porém, vier o Filho do Homem, porventura, achará fé na terra? ”

A.W. Tozer, declarou: “Enquanto alguns procuram erros na Bíblia e enganos nas traduções… um homem sincero, com uma Bíblia aberta, sem dúvida encontrará bem depressa o que há de errado consigo mesmo. ” – É isso que está faltando: examinar cada um a si mesmo.

Hoje temos um evangelho fofinho, carinhoso, condescendente, particular, que agrada olhos e ouvidos, cada um com sua interpretação de acordo a sua necessidade, algo que acomode o seu pecado, algo privado. Entretanto, Horatius Bonar fez a seguinte afirmação em relação ao pecado: “Pecados tratados com carinho te custarão caro! ”

Charles Spurgeon fez um alerta implacável: “A morte de Cristo é o alerta mais terrível para os ímpios (pecadores), pois se Deus não poupou nem o seu único filho, ao qual o pecado foi somente imputado, ou seja, não era seu, o que fará com as pessoas que pecam deliberadamente? ”

“Conceda ao pecado um centímetro, e ele tentará conquistar um quilometro. ” – John Qwen

“O mundo precisa ver cristãos chorando por causa do pecado, não rindo dele. ” – J. Bessa – e eu acrescento “rindo com ele”.

Alguns poderão dizer: “você está se colocando no lugar de juiz, querendo saber o que está no coração das pessoas? ”. Muitas pessoas enxergam na pergunta de Jesus aos fariseus e publicanos uma permissão para pecar e quando alguém aponta o erro (pecado) esbravejam essa frase: “Quem é você para julgar? Quem não tem pecado que atire a primeira pedra”.

A função do profeta é apontar o que está errado para que haja correção, para que o pecado seja abandonado e extinto antes que aconteça coisa pior, pois, o pecado consumado gera a morte física, espiritual e eterna. Em relação ao julgamento eu já tratei desse tema no artigo “JULGAMENTO OU ANÁLISE” (publicado nesse portal), você poderá ler acerca disso posteriormente. O que quero tratar nesse artigo é questão mortal do pecado.

O Apóstolo João, inspirado pelo Espirito Santo, foi enfático em sua primeira epistola no capitulo 3 versículos 8 e 9: “Quem comete o pecado é do diabo, porque o diabo peca desde o princípio. Para isto o Filho de Deus se manifestou: para desfazer as obras do diabo. Qualquer que é nascido de Deus não comete pecado; porque a sua semente permanece nele; e não pode pecar, porque é nascido de Deus. ”

Quem estabelece a jurisprudência acerca do pecado é a própria Constituição do Reino de Deus: A Palavra de Deus. Os profetas de Deus apenas se apoiam sobre esta legislação celestial para dar os avisos pertinentes enquanto ainda é dia, enquanto ainda há tempo para mudança de atitude. Os profetas de Deus se colocam como advogados, não do pecado, mas dos pecadores. Nas palavras de Paul Washer: “Se um pregador não pregar sobre o pecado, ele está roubando a sua congregação de apreciar verdadeiramente a Deus, e o que Ele fez por ela em Cristo Jesus. ”

Jesus sentou e comeu com os pecadores, mas precisamos lembrar que Ele não pecou com eles. O evangelho da graça moderno se porta assim: viver como ímpio contando com a misericórdia de Deus. O Evangelho da graça bíblico se porta assim: viver em santidade, de acordo com a vontade de Deus, por causa da Sua misericórdia. Percebeu a diferença, caro leitor?

“Algumas pessoas dizem: “não me julgue, você não sabe o que está no meu coração”. Que frase mais tola, porque eles ficariam envergonhados se soubéssemos o que está no coração deles. ” Pensamento do mesmo Paul Washer.

Dizer que é cristão qualquer um pode dizer, o mesmo se aplica a pastor, apóstolo, missionário, etc, por suas ações, atitudes, palavras, escolhas, saberemos se é ou não. O cristão verdadeiro é seguidor de Jesus Cristo, vive de acordo com os Seus mandamentos, O obedece em tudo. O cristão verdadeiro jamais defenderá ou seguirá, quem quer que seja, que vá contra os valores eternos. O cristão verdadeiro jamais concordará, nem defenderá, alguém que não respeita a vida.

Como podemos ver, vários autores em épocas diferentes, nos alertaram para o risco provocado pelo pecado, pois, o castigo do pecado é a morte física, espiritual e eterna.

Como devemos tratar o pecado?

A única solução para o pecado é vivermos a vida de Cristo, crucificando o velho homem e ressuscitando para uma nova vida em Cristo.

Deixemos que O Apóstolo Paulo nos mostre o caminho em sua Epístola aos Romanos no capitulo 6 versículos 1-23

Portanto, o que vamos dizer? Será que devemos continuar vivendo no pecado para que a graça de Deus aumente ainda mais? É claro que não! Nós já morremos para o pecado; então como podemos continuar vivendo nele?

Com certeza vocês sabem que, quando fomos batizados para ficarmos unidos com Cristo Jesus, fomos batizados para ficarmos unidos também com a sua morte. Assim, quando fomos batizados, fomos sepultados com ele por termos morrido junto com ele. E isso para que, assim como Cristo foi ressuscitado pelo poder glorioso do Pai, assim também nós vivamos uma vida nova. Pois, se fomos unidos com ele por uma morte igual à dele, assim também seremos unidos com ele por uma ressurreição igual à dele. Pois sabemos que a nossa velha natureza pecadora já foi morta com Cristo na cruz a fim de que o nosso eu pecador fosse morto, e assim não sejamos mais escravos do pecado. Pois quem morre fica livre do poder do pecado. Se já morremos com Cristo, cremos que também viveremos com ele.

Sabemos que Cristo foi ressuscitado e nunca mais morrerá, pois a morte não tem mais poder sobre ele. A sua morte foi uma morte para o pecado e valeu de uma vez por todas. E a vida que ele vive agora é uma vida para Deus. Assim também vocês devem se considerar mortos para o pecado; mas, por estarem unidos com Cristo Jesus, devem se considerar vivos para Deus.

Portanto, não deixem que o pecado domine o corpo mortal de vocês e faça com que vocês obedeçam aos desejos pecaminosos da natureza humana. E também não entreguem nenhuma parte do corpo de vocês ao pecado, para que ele a use a fim de fazer o que é mau. Pelo contrário, como pessoas que foram trazidas da morte para a vida, entreguem-se completamente a Deus, para que ele use vocês a fim de fazerem o que é direito.

O pecado não dominará vocês, pois vocês não são mais controlados pela lei, mas pela graça de Deus. O que é que isso quer dizer? Vamos continuar pecando porque não somos mais controlados pela lei, mas pela graça de Deus? É claro que não! Pois vocês sabem muito bem que, quando se entregam a alguma pessoa para serem escravos dela, são, de fato, escravos dessa pessoa a quem vocês obedecem. Assim sendo, vocês podem obedecer ao pecado, que produz a morte, ou podem obedecer a Deus e ser aceitos por ele. Mas damos graças a Deus porque vocês, que antes eram escravos do pecado, agora já obedecem de todo o coração às verdades que estão nos ensinamentos que receberam. Vocês foram libertados do pecado e se tornaram escravos de Deus para fazer o que é direito.

Falo com palavras bem simples porque vocês ainda são fracos. No passado vocês se entregaram inteiramente como escravos da imoralidade e da maldade para servir o mal. Entreguem-se agora inteiramente como escravos daquilo que é direito para viver uma vida dedicada a Deus. Quando eram escravos do pecado, vocês não faziam o que é direito. Porém o que é que vocês receberam de bom quando faziam aquelas coisas de que agora têm vergonha? Pois o resultado de tudo aquilo é a morte. Mas agora vocês foram libertados do pecado e são escravos de Deus. Com isso vocês ganham uma vida completamente dedicada a ele, e o resultado é que vocês terão a vida eterna. Pois o salário do pecado é a morte, mas o presente gratuito de Deus é a vida eterna, que temos em união com Cristo Jesus, o nosso Senhor.

Paulo completa em sua Epistola aos Gálatas capitulo 5 versículos 24 e 25:

E os que são de Cristo crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências. Se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito. O que nasce da carne é carne, o que nasce do Espirito é Espirito.

Não consegue vencer os desejos da carne? É porque nunca nasceu de novo, nunca nasceu do Espirito!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Conteúdo protegido, copia e transcrição necessita autorização do autor